12/02/2017

Ignorância e Sabedoria 無明と光明



「無明の闇を破する恵日」

“A Luz sem impedimento é o Sol da Sabedoria Salvífica que dissipa as trevas da ignorância”.

(Introdução aos Prolegômenos ao Florilégio de passagens sobre a Doutrina, a Prática e a Realização Verdadeira da Terra Pura, tradução do Prof. Rev. Ricardo M. Gonçalves).

 A Luz sem impedimentos é a Luz de Sabedoria do Buda Amida, ou seja, uma Luz que não encontra obstáculos nem nada que impeça seu avanço. A Luz de Sabedoria nos alcança sem que nada a detenha ou impeça de nos iluminar rompendo as trevas da nossa ignorância, é a Luz que nos esclarece, revelando-nos a nossa verdadeira condição de seres perdidos nas trevas da ignorância.  

Para o Budismo, o contrário de ignorância não é só conhecimento ou sabedoria, é o estado daqueles que mesmo não compreendendo nada, acham que sabem muita coisa.

Ou seja, para o Budismo, ao sabermos que nada conhecemos, significa a compreensão da atuação da Luz de Sabedoria em nossas vidas. Reconhecer que nada sabemos, é a própria Sabedoria.

Nas palavras do Mestre Rennyo: 
「心得たと思うは、心得ぬなり。心得ぬと思うは、こころえたるなり。」蓮如上人
“Achar que se obteve algum conhecimento, significa que não se obteve conhecimento algum. Achar que não se tem nenhum conhecimento, é adquirir grande conhecimento. ”

Admitir que não sabemos alguma coisa, que desconhecemos algo, é muito difícil. A voz do Bonnô (Paixões Mundanas) geralmente nos leva a não admitir que não sabemos ou que não conseguimos realizar determinada coisa, não aceitamos nos rebaixar assumindo nossa real condição de ignorantes. Vivemos na ilusão de que tudo sabemos, perdemos a consciência de quem somos verdadeiramente, imersos em ilusões de grandeza. A isto o Budismo classifica de ignorância.

Ao nos encontrarmos com o Dharma, ocorre a dissipação das trevas, tomamos conhecimento de que até então vivíamos em meio às trevas da ignorância, percebemos o quão somos limitados e impossibilitados de atingir a Sabedoria por meios próprios. Neste instante nasce o ser que necessita ser salvo, nasce o Akunin, o mau. [1]
Segundo o Rev. Obata em sua palestra aos dirigentes de Templos do Paraná, “o Buda Amida não nos enxerga apenas como seres humanos, mas como seres que transmigram sucessivamente nos Três Mundos Maléficos, a saber: o Inferno, o mundo dos Fantasmas Famintos, e o mundo Animalesco. ” Somente o Buda Amida, através do Voto Original é que oferece uma saída desta nossa triste condição.



Nota [1] Akunin 悪人: Segundo o Tannishô, o "mau" para o Mestre Shinran, é aquele que, através de uma severa autocrítica, se reconhece como incapaz de Segundo o Tannishô, o "mau" para o Mestre Shinran, é aquele que, através de uma severa autocrítica, se reconhece como incapaz de atingir a perfeição através de seu próprio esforço, dadas as suas inúmeras imperfeições e limitações. Em outras palavras, o "mau" é aquele que reconhece a contingência do Ego e, portanto, toma consciência da impossibilidade de se atingir o Eu Real e Absoluto a partir de esforços efetuados pelo Ego.


Sayuri Tyō Jun
Goei-Dô Mon Grande Portal do Honzan - Higashi Honganji - Kyôto